Imagem - Getrak
Imagem - Getrak
Empreendedorismo
8 de abril de 2022
O que é o fluxo de caixa e como utilizado em gestão financeira eficiente
J
Publicado por
João Vitor Fernandes
Compartilhe:

O fluxo de caixa é a ferramenta de gestão financeira que projeta a entrada e saída de recursos de uma empresa em um determinado período de tempo, indicando como está a situação financeira do empreendimento no final do ciclo projetado.

Ter organizado todas as despesas e receitas de médio e curto prazo é fundamental para organizar o setor financeiro do seu negócio, conseguindo, inclusive, prever investimentos ou cortes de gastos.

Você sabe para onde o dinheiro está indo. Sabe quando é hora de cortar gastos ou fazer investimentos? Além da entrada e saída de dinheiro, esta ferramenta pode te ajudar a:

  • Saber o setor da empresa com maior gasto;
  • Medir a eficiência de uso de materiais e insumos;
  • Identificar produtos e/ou serviços mais vendidos;
  • Identificar produtos e/ou serviços menos vendidos;
  • Conhecer e melhorar a saúde financeira a curto prazo;
  • entre outros pontos. 

Nesse conteúdo, vamos te mostrar como as informações coletadas no fluxo de caixa podem fazer com que a sua empresa melhore a gestão e, consequentemente, os resultados. Esperamos que goste das dicas.

Boa leitura!

O que é fluxo de caixa?

Fluxo de caixa é o controle de entradas e saídas de dinheiro do caixa da empresa em determinado período. Ou seja é a ferramenta que controla o quando o seu negócio está gastando e o quanto ele está recebendo no período analisado. Existem vários tipos de fluxo de caixa a eles são usados em diferentes etapas da gestão financeira.

Quais os tipos de fluxo de caixa?

Como essa é uma ferramenta bastante dinâmica é possível adaptar o modo como ele é feito, dependendo do objetivo e tipo de informação que a sua empresa deseja obter.

Imagem - Getrak
Material Rico

Tudo que você precisa saber sobre rastreamento, monitoramento e telemetria!

Os tipos de fluxo de caixa mais usados são: operacional; projetado; direto; de investimentos e livre. Vamos entender cada um deles.

Fluxo de caixa operacional

O controle de caixa operacional leva em consideração apenas as movimentações financeiras relativas às operações da empresa. Ou seja, neste cálculo estão excluídas todas as entradas e saídas que não fazem parte do operacional.

Assim, colocamos nesta conta o gasto com combustível, insumos e matérias primas, salários, a venda do produto/serviço e etc. Esse modelo do fluxo de caixa é importante para medir a eficiência da operação, pois mede o lucro líquido operacional, possibilitando escalar ou diminuir a produção e a fazer ajustes, caso necessário. 

Modelo de controle projetado

O fluxo de caixa projetado é uma forma de usar esta ferramenta financeira para prever ações futuras, utilizando como base os dados registrados no controle de caixa diário.

Ao lançar as despesas e receitas diárias, é possível projetar investimentos ou redução de custos, medindo como está o caixa da empresa em determinado período.

Funciona assim: Com as despesas e receitas lançadas é possível prever se o caixa será superavitário ou deficitário e, com isso, prever investimentos, redução de custos, transferência de aporte entre os setores e outras ações, que possam contribuir para o crescimento do negócio. 

Fluxo de caixa Direto

Esse é o modelo de fluxo de caixa mais utilizado, mesmo sendo o mais trabalhoso. Isso porque, ele faz uma análise completa da saúde financeira da empresa.

O modelo direto segue uma estrutura clara que identifica pontos de melhoria em todo o processo. Geralmente ele segue a seguinte estrutura:

  • Saldo inicial de caixa (positivo ou negativo);
  • Entradas (recebimentos);
  • Saídas (pagamentos);
  • Saldo do fluxo de caixa operacional (positivo ou negativo);
  • Saldo final de caixa.

Essa visão permite entender a saúde financeira a curto prazo e propor melhorias assertivas dentro do processo financeiro do negócio. 

Para investimentos

Esse tipo de controle é destinado aos investimentos mede o que foi gasto com capital, como por exemplo, a aquisição de máquinas e equipamentos utilizados na operação. Geralmente esse valor é negativo e representa o esvaziamento do caixa principal, contudo, pode aparecer números positivos caso haja a venda de algum equipamento ou maquinário. 

É neste demonstrativo que conseguimos observar as despesas e receitas totais com ativos e é por meio dele que conseguimos prever novos investimentos, ou medir a qualidade de uso dos maquinários e equipamentos por parte dos funcionários.

Fluxo de caixa livre 

O Fluxo de caixa livre é o saldo final do caixa, após fazer todos os pagamentos. É bastante comum que estes valores sejam usados para pagar possíveis dividendos dos acionistas, ou para o endividamento da empresa.

Cálculo

Para calcular o fluxo de caixa livre é necessário somar os valores do fluxo de caixa operacional com o fluxo de caixa de investimentos. Sendo assim, a fórmula para o cálculo é a seguinte:

  • FCL =  FCO + FCI

FCL – Fluxo de caixa livre

FCO – Fluxo de caixa Operacional

FCI – Fluxo de caixa Investimentos

Como fazer a projeção de caixa?

A projeção de caixa é fundamental para que você consiga ter algumas estimativas. Ela é, comumente, feita por meio do orçamento empresarial, uma ferramenta que vai ajudar a enxergar as previsões de receitas da empresa, custos, despesas do negócio e possíveis investimentos, com prazo de pelo menos um ano à frente.

Essa projeção de caixa é feita, também, com base na avaliação do histórico da empresa. Dessa forma, você prevê quais são as sazonalidades e períodos em que existe um menor e um maior volume de compra, e já se prepara para cada um deles.

Antes de você fazer a projeção de caixa, você precisa conhecer e entender os prazos médios de pagamento e os de recebimento do seu negócio.

Prazos médios de pagamento

Os prazos médios de pagamento avaliam o tempo entre a data da compra e aquela em que você precisa pagar o fornecedor. Se você tem um parceiro que paga em duas vezes, seu prazo médio de pagamento nesse contexto seria 50% do valor da compra à vista e a outra metade em 30 dias, por exemplo.

Prazos médios de recebimento

Já nos prazos médios de recebimento, avaliamos o tempo entre a venda e o recebimento por parte do cliente. Isso significa que, se a sua empresa faz uma venda parcelada em três vezes sem entrada, por exemplo, o seu prazo de recebimento vai ser definido por 33% em 30 dias, outros 33% em 60 dias e o restante, 34%, em 90 dias.

Com a aplicação desses prazos médios, junto a todas as informações adquiridas pelo orçamento da empresa, você terá realizado a projeção do fluxo de caixa.

Como se controla o fluxo de caixa?

Para controlar o fluxo de caixa, é preciso ter cuidado com alguns detalhes.

Registre e categorize as movimentações financeiras da empresa

É importante que você avalie cada uma das movimentações e veja o que precisa ser otimizado, onde estão os maiores investimentos e quais gastos precisam ser cortados. Para ter mais clareza, é importante definir um sistema de categorização que permita identificar de onde estão vindo os principais ganhos e gastos da empresa, para que você saiba exatamente qual a fonte dos recursos e rendimentos do seu negócio.

Verifique o fluxo de caixa

Ter uma rotina de verificação do fluxo de caixa é fundamental para que você não tenha surpresas ao fim do mês. Esse hábito vai permitir que você se planeje e consiga prever quais são os momentos do ano e possíveis situações complicadas a serem enfrentadas, criando um plano de prevenção e contingência, antes mesmo que o problema realmente aconteça.

Qual a periodicidade de uso?

Isso vai depender do tipo de negócio e da complexidade de entradas e saídas da sua empresa. Quanto mais formas de receber e pagar o seu negócio tiver, mais frequente deve ser o seu controle de fluxo. 

O recomendável é que se faça esse controle, pelo menos, uma vez por mês para que as informações possam ser analisadas com mais assertividade. Como uma análise não anula a outra, você pode determinar um controle mensal e caso suspeite de algum problema, você aumente a frequência para averiguar a situação.

Fluxo de caixa para negócios de receita recorrente

Negócios de receita recorrente, como são as empresas de rastreamento, precisam fazer uma gestão financeira rigorosa. É importante saber qual o capital de giro necessário para fazer o negócio funcionar, bem como ter um controle de fluxo de caixa frequentemente. 

Isso porque, negócios de receita recorrente costumam ter entradas e saídas de recursos em diferentes datas e o controle de contas a pagar e a receber precisa ser acompanhado de perto.

Conclusão

Como vimos, o fluxo de caixa é uma excelente ferramenta de gestão financeira e pode contribuir para o crescimento da empresa. Para empreender, além do do controle de caixa é necessário ter outras ferramentas estratégicas, como análise SWOT e várias outras. 

Quer abrir o seu próprio negócio e ter a sonhada independência financeira? Leia o nosso Guia completo sobre como empreender e descubra como tirar a sua empresa do papel.

Veja também: Webinar – Por que investir e como montar uma central de rastreamento?